mensagem



Este blog tem como objetivo ampliar e qualificar o debate da questão racial e a luta em busca da igualdade social.




sábado, 10 de março de 2012








Escrito por: Pedro Barbosa, o Peu, secretário de Combate ao Racismo da CUT-BA

A Marinha do Brasil e a grilagem do Quilombo dos Macacos
Há mais de um século existe o Quilombo dos Macacos, um dos mais antigos do Brasil, formado por gente simples, descendentes de africanos que escolheram viver nas redondezas de Aratu, na Região Metropolitana de Salvador. Ali eles praticam sua cultura e fé, vivem da agricultura familiar, da pesca e usufruem do Rio dos Macacos.
Tempos se passaram desde que o quilombo foi instalado e eis que chega a Marinha do Brasil e invade a área quilombola. De forma inocente, aquela gente ajudou a construir a base naval e os conjuntos residenciais que abrigariam os marinheiros. A recompensa disso é que hoje os quilombolas estão sendo impedidos de ter acesso à sua comunidade. Com suas moradias sendo destruídas, vivem sob constante ameaça de morte.
É difícil conseguir compreender a lógica insana e perversa que se instala no Comando da Marinha do Brasil. Questiono aqui o que justifica a morte de tantas pessoas, muitos idosos acima de 70 anos, hoje sem acesso à saúde e á energia elétrica, impedidas de se locomoverem a um posto de saúde sequer.
Em que país vivemos? Que mundo é esse? A Marinha do Brasil, cuja finalidade é proteger a população brasileira e garantir o cumprimento da Constituição Federal se torna um agente da opressão e da grilagem. Utiliza da coação e da guerra psicológica contra uma comunidade de quilombos cujo único erro foi o de dividir suas terras com ela e viver em paz.
Me nego a acreditar que a Marinha esteja agindo dessa forma. Recuso a aceitar que será necessário mais um Marechal negro João Cândido para lutar pela igualdade social. Diante do que tem acontecido, é urgente que os governos federal e estadual tem que intervir nessa contenda e regularizar a terra dos quilombolas dos Macacos, para que volte a reinar a paz. Essa é uma obrigação do Estado.
Marinha grileira e racista nunca mais!

Nenhum comentário:

Postar um comentário